Teclado no Reggae: Confira a seleção assassina com os melhores organistas da música jamaicana

Instrumento adaptado pelos jazzistas nos anos 50, o hammond virou febre na música jamaicana e foi usado desde os primórdios das produções na ilha pelas orquestras de Ska, mas foi no final dos anos 60 que a coisa ficou séria. A diversidade de timbres que o instrumento alcançava era um fator que pesava muito nas produções, pois um organista solista fazia o papel de um naipe de metais, o que diminuía os custos para o produtor.
O grande uso do hammond fez com que surgisse bons organistas jamaicanos, os que mais se destacaram foram: Glen Adams, Winston Wright, Neville Hinds, Ansel Collins, Robert Lynn, etc.
Eles conseguiam fazer melodias que agradavam os ouvidos mas que não necessariamente precisavam de um alto nível de complexidade, e era mais uma arma para se fazer versões. As produções dedicadas ao skinheads são o auge de tudo que já foi gravado na Jamaica e na Inglaterra com o órgão hammond. Bandas de estúdio como The Rudies, Hot Rod, Bunny Lee All Stars e outras abusaram dos trimbres que o instrumento proporcionava e fizeram a cabeça de uma grande galera.