Quem é a Mulher Rastafari ?

Quem é a mulher Rastafari? O que ela significa? Existe alguma pessoa como a mulher Rastafari? Se ela vive, onde ela está? Como se sabe tão pouco sobre ela? É por que ela não faz parte da cultura Rastafari? É a mulher Rastafari nada mais do que uma versão de segunda mão do Rastafari?
Estas são algumas perguntas que as pessoas fazem hoje para quem já ouviu falar da mulher Rastafari. Então vamos dar uma breve olhada no que a mulher Rastafari é. Eu estou me baseando no que eu encontrei nos duros golpes da experiência, no que eu tenho visto através da inspiração e no que eu tenho observado como uma jornalista Rastafari, documentando o movimento desde seus primeiros dias até o presente momento. 

O Rastafari reconhece a Babilônia como um reino de rainhas prostitutas dominadas por homens ímpios. Sendo assim, a Babilônia não tem nenhum interesse em ter rainhas íntegras como a mulher Rastafari, mas ao invés disso, coloca suas rainhas prostitutas para governar o mundo e levar os inocentes à perversidade. O centro desta poluição espalhada por estas rainhas é a indústria da televisão e dos filmes.
Então, não seria nenhuma surpresa saber que a mulher Rastafari, assim como a Rainha Omega, a legítima Rainha Mãe da Criação, é uma ameaça à Babilônia. Todo Rastafari é filho do Rei Alfa, Pai da Criação e governa com a Mãe, a Rainha Omega, sendo a filha uma continuação da Mãe. Então o mais alto título da mulher Rastafari é Rainha Omega. 

A Babilônia tem usado todos os truques para esconder a Rainha Omega do mundo. O principal truque é não deixar a mulher Rastafari chegar ao auge de sua espiritualidade como Rainha Omega e Rainha Africana, Mãe da Terra, a própria Mãe Natureza. Isso aconteceu com a prisão de muitos Rastafari, deixando a mulher desprotegida e provocando a volta para a Babilônia de mulheres que entrarem para a vivência Rastafari no seu início. Além disso, houve uma campanha que levou ao desdém a mulher Rastafari por sua família e sociedade; a recusa de terras para os Rastas e a negação das mulheres e crianças como estabilizadores do movimento.
Os donos de terras, por sua vez, encorajaram o movimento a ser nômade, para desencorajar as mulheres a entrar no movimento e a estabilizá-lo. A desestabilização promovida pela Babilônia promoveu um Rastafari sem laços familiares como a essência do Rastaman – a imagem romântica do profeta/pastor caminhado pelas ruas trazendo o julgamento e o fogo para as pessoas da terra.
A Imperatriz Menen, esposa de Haile Selassie I é a Rainha Omega dentro deste plano. A Rainha Makeda de Sabá é a Rainha Omega de seu tempo assim com foi Maria, mãe de Jesus. O papel da Rainha Omega, a mulher Rastafari, foi resumida por Leonard P. Howell em seu livro “A Chave Prometida” (The Promised Key), escrito com o nome de Gangunguru Maragh. Howell declara: “Rainha Omega, a rainha etíope, é a mulher coroada deste mundo. Ela nos dá o livro das funções dos pólos da Suprema Autoridade. Ela é a Santa Senhora da Criação”. 
Howell também registra que depois que o Duque de Gloucester devolveu ao Imperador Haile Selassie I o cetro de ouro puro que havia sido roubado da Etiópia pela Inglaterra pelos ingleses, o duque deu à Rainha Omega “Imperatriz Menen, um cetro de ouro e m
arfim. O cabo era da forma de um ramo de lírios e no topo havia um ramo de lírios florescendo. 

A falta de foco na Rainha Omega é em parte devido ao fato que sua representante na terra, a Imperatriz Menen, desapareceu da vida terrena no início da ascensão do movimento. Nunca houve uma declaração universal quando a Imperatriz se retirou dos olhos dos homens da Babilônia. Os escritores modernos acharam mais lucrativo construir uma imagem exótica masculina para levar as mulheres prostitutas a uma desenfreada expectativa da sexualidade dos dreadlocks. Estes escritores não vêem nenhum outro uso da posse da masculinidade exceto para favorecer a sexualidade excessiva e ignorar a presença da Imperatriz no início do movimento.


A influência da Imperatriz Menen no movimento Rastafari durante seu reinado terreno foi muito grande. O Rastafari se dirige à mulher da congregação como Rainha. A mulher Rastafari tem um exemplo feminino como modelo a ser seguido e busca os passos da Imperatriz Menen minuciosamente. O Rastafari vê em cada mulher a Imperatriz Menen e o respeito é grande.

Temos que entender que no mesmo dia que Haile Selassie foi coroado Imperador da Etiópia, a sua Rainha, a Imperatriz Menen, foi coroada Imperatriz da Etiópia e também recebeu as homenagens de 72 nações do mundo. E assim como a coroação de Sua Majestade Imperial simbolizou o homem preto alcançando seu Rei e seu Reino, a coroação da Imperatriz simbolizou a mulher preta alcançando o Reino dela.
O efeito psicológico na mulher preta ao ter uma mulher Africana reinando como Imperatriz com esplendor real e sendo homenageada pelas nações nunca foi enfatizado pelos que supostamente escrevem sobre a cultura Rastafari. Isso nunca pode ser desprezado por aqueles de nós que buscam a mulher na cultura Rastafári.

Para vocês meus irmãos que dão tanto a este povo. Eu mando força Rastafari para vocês que amam a pureza e conhecem a Santidade; que lutam por justiça para todos, eu mando a Jah toda autoridade. Para vocês que conhecem o significado da confiança e do sacrifício e buscam a verdade para que as pessoas possam viver. Filha Rasta seja forte. Os anciãos te chamam para buscá-los. Filha seja feliz, nossas crianças e nossos irmãos precisam do teu amor materno.
Mama Farika Berhane
Anciã Rastafari - 1983